Selecione seu Estado São Paulo
Quinta-Feira, 14 de Novembro de 2019


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

Sincor-SP divulga Ranking das Seguradoras 2018

Fonte: Segs Data: 28 maio 2019 Nenhum comentário

Segundo estudo, as seguradoras lucraram R$ 154,4 bilhões em 2018, apresentando um crescimento de 7,5% em relação a 2017

As mais de 70 seguradoras que atuam no Brasil conseguiram registrar lucro de R$ 154,4 bilhões em 2018, uma variação de 7,5% em relação ao ano anterior. Os dados constam na nova edição do Ranking das Seguradoras, produzido pelo Sindicato de Empresários e Profissionais Autônomos da Corretagem e da Distribuição de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP).

Segundo o levantamento, que consolida os dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados) e da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), as cinco primeiras colocações pertencem aos grupos Bradesco, SulAmérica, BB , Porto Seguro e Zurich, que somaram mais de R$ 90 bilhões.

"O Ranking das Seguradoras é bastante aguardado pelo mercado, porque serve de orientação sobre os caminhos do setor. Os números atestam a resiliência, o empreendedorismo e a capacidade de inovação do mercado de seguros, através da força de trabalho tanto dos seguradores quanto dos corretores, responsáveis pela produção e distribuição", afirma o presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo.

O ramo de saúde obteve maior faturamento durante o ano passado, registrando lucro de R$ 42,5 bilhões e avanço de 9%. Duas companhias concentram a receita do segmento, com 78% do total. Os seguros de pessoas, que englobam vida, acidentes pessoais, prestamista, educacional, entre outros, vem logo em seguida, com total de R$ 42 bilhões e crescimento de 9% no período.

O Ranking aponta que o segmento de automóvel, sem contar o seguro DPVAT, teve aumento de 3% em relação ao ano anterior, com faturamento de R$ 35,8 bilhões. Já o ramo de transportes foi o que mais surpreendeu, conseguindo registrar lucro de R$ 3,6 bilhões em 2018, com avanço de 14% na comparação com 2017.

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas