Selecione seu Estado São Paulo
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

Clientes de plano de saúde na UTI

Fonte: https://www.em.com.br/ Data: 10 julho 2018 Nenhum comentário

A alta dos planos de saúde está levando muitos clientes a buscarem outras alternativas. Isso porque as mensalidades foram reajustadas, em média, em 18% no caso dos planos coletivos com até 30 pessoas. No caso dos planos coletivos empresariais com mais de 30 vidas, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula a atividade, diz que “os dados são reservados” e não divulga o aumento. Mas em tabelas de corretores que comercializam esses produtos é possível confirmar os índices de reajuste em vários pontos do Brasil – de 7,13% a espantosos 50,7%. No caso dos planos individuais, a ANS fixou o teto de 10%. Mas além da alta de preço, há outros problemas para os insatisfeitos, já que poucas operadoras atuam nesse mercado e existe o temor de que esses prestadores de serviço não consigam dar conta do aumento da demanda. No fim do mês, A ANS vai realizar um debate para discutir possíveis mudanças na fórmula de correção das mensalidades dos contratos individuais e familiares. 

No vácuo da Lava-Jato
A multinacional belga Agfa (foto) viu no escândalo de corrupção envolvendo as rivais GE e Philips uma oportunidade de avançar na área de healthcare no Brasil. Com o colapso do mercado fotográfico impresso, a empresa mergulhou na área de imagens de radiografias, impressão de exames e tecnologias para a área hospitalar e clínica. Segundo um executivo da subsidiária brasileira, a revelação de episódios de corrupção no setor, na Operação Ressonância, deverá ajudar as empresas que “atuam de forma limpa”. 

Seguro para carros perde atratividade
O executivo Antonio Cassio do Santos, CEO da seguradora italiana Generali para as Américas e Sul da Europa (Grécia, Portugal e Turquia), está sendo pressionado pela matriz a turbinar o desempenho da companhia no mercado brasileiro. A baixa rentabilidade do segmento de seguro para automóveis, que teve uma alta acentuada no índice de sinistralidade nos últimos dois anos, deverá obrigar a empresa a diversificar seus negócios. O plano é avançar em ramos mais rentáveis e estáveis, como o agronegócio. 

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas