Selecione seu Estado São Paulo
Terça-Feira, 21 de Agosto de 2018


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

Quem é o corretor?

Fonte: Jornal O Dia Data: 04 abril 2018 Nenhum comentário

Omercado de trabalho para corretores de seguros contrasta com o cenário de índices alarmantes de desemprego no país. Antes de tudo, é preciso entender o perfil dos profissionais em atuação nesse segmento. Esqueça aquela figura do senhor de meia-idade com uma pasta e cheio de documentos com informações de difícil compreensão. Hoje, ele usa tablet ou smartphone, tem entre 30 e 40 anos e muita disposição para obter uma remuneração compatível com a sua dedicação. Mas tudo começa pela sua formação profissional. E, acima de tudo, por uma vocação para o negócio.

No ano passado, a Escola Nacional de Seguros formou 4,3 mil corretores no país, um aumento de cerca de 23% em comparação aos 3,8 mil profissionais formados em 2015. Em um curso com apenas nove meses de duração e 27 disciplinas, o aluno passa por três módulos. O primeiro deles é habilitação em Capitalização. Em seguida, Vida e Previdência. A formação é concluída com os outros ramos. "É um ramo complexo e muito abrangente. É importante que esse profissional conheça os aspectos legais para entender a necessidade dos clientes e que se mantenha atualizado. Ele precisa ter alguma habilidade comercial e pode se especializar em algum nicho", recomenda Maria Helena Monteiro, diretora de Ensino Técnico da Escola Nacional de Seguros no Rio.

A Mongeral Aegon, que conta com 4 mil corretores parceiros, forma e habilita profissionais para atuar na área de Vida e Previdência. Só no Rio, foram registrados mais de mil cadastros de candidatos em 2017. Depois de formados, esses profissionais precisam receber certificação dada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), o órgão regulador da categoria.

SEM VÍNCULO EMPREGATÍCIO

A ideia é formar profissionais autônomos, sem vínculo empregatício com a empresa. Neste ano, foram abertas 650 novas vagas no país. "As pessoas estão despertando para carreiras sem carteira assinada. Os candidatos precisam ter potencial para contatar pessoas e muita vontade de crescer. A gente espera que tenha, também, alguma experiência em venda. O programa de formação tem treinamento e atividade prática, com respaldo da universidade corporativa", explica Luciana Rosa, gerente de treinamento e desenvolvimento corporativo.

Jonnathan Braga de Souza, de 25 anos, foi um desses profissionais selecionados pela Mongeral Aegon. Formado em Administração em 2014, ele decidiu apostar numa nova carreira. "Saí de um emprego com carteira assinada, estabilidade e benefícios para iniciar uma carreira onde os ganhos podem ser bem maiores", argumenta.

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas