Selecione seu Estado São Paulo
Quinta-Feira, 18 de Outubro de 2018


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

Dia da Cardiopatia Congênita é lembrado com ação no Hospital Português

Fonte: Diário de Pernambuco Data: 12 junho 2018 Nenhum comentário

No Brasil, uma em cada 100 crianças nasce com alguma alteração na estrutura ou na função do coração. Por ano, cerca de 28 mil crianças nascidas no país são cardiopatas, representando 1% da população. Pelo  menos 23 mil desses bebês precisam de atendimento diferenciado e de cirurgia cardíaca. No entanto, estima-se que 18 mil deles (78%) sequer recebem o tratamento, muitas vezes por falta de diagnóstico, aumentando os índices de mortalidade neonatal. 
Para enfatizar a importância dos exames e da prevenção, a Unidade de Cardiologia Materno Fetal (UCMF), no Hospital Português, realiza ações de saúde nesta segunda (11) e terça-feira (12), marcando o Dia da Cardiopatia Congênita. Nos dois dias, pela manhã, a partir das 9h, as gestantes atendidas na unidade serão recepcionadas com uma mini palestra da equipe de cardiologia e com uma ação lúdica. A arte-educadora Kátia Sampaio vai entoar músicas de sua autoria para fixar, de maneira divertida, a importância dos exames e dos cuidados durante a gravidez e os primeiros meses de vida do bebê.
Cardiopatia Congênita é qualquer anormalidade na estrutura ou função do coração que surge nas primeiras 8 semanas de gestação, período em que se forma o coração do bebê. Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário da estrutura cardíaca, mesmo que descoberto anos mais tarde. As cardiopatias congênitas mais comuns incluem alteração em alguma válvula cardíaca, que influencia no fluxo sanguíneo dificultando ou impedindo sua passagem, alterações nas paredes do coração levando a comunicações cardíacas que não deveriam existir e mistura do sangue oxigenado com o não oxigenado ou ainda a formação de um único ventrículo. Pode ainda haver a combinação de malformações.
O diagnóstico precoce pode salvar a vida da criança, principalmente em cardiopatias mais graves, quando o parto deve ser planejado e a criança precisa ser operada nos primeiros dias de vida. As cardiopatias congênitas podem ser prevenidas em parte através da vacinação contra a rubéola e do consumo de ácido fólico. Algumas cardiopatias não necessitam de tratamento. Outras podem ser tratadas de forma eficaz com procedimentos com cateteres ou cirurgia cardiovascular. Em alguns casos podem ser necessárias várias cirurgias. Em outros, podem ser necessários transplantes de coração. Com tratamento apropriado, o prognóstico é geralmente bom, mesmo dos problemas mais complexos.
As cardiopatias podem ser suspeitadas durante a gestação pelo ultrassom morfológico e confirmadas pelo ecocardiograma fetal ou ainda com a ajuda do teste do coraçãozinho, que é feito na maternidade. Outra forma de diagnóstico é por exame físico realizado pelo pediatra com ajuda de exames complementares como raio x de tórax, eletrocardiograma, ecocardiograma, cateterismo, holter de 24h e angiotomografia.
Teste do Coraçãozinho
Incorporado aos testes de triagem em neonatais do SUS, em 2014, o Teste do Coraçãozinho é um exame simples, indolor, rápido e não invasivo, que pode indicar a probabilidade da criança ter uma cardiopatia congênita grave.Também chamado de Oximetria de Pulso e recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, o teste deve ser feito ainda na maternidade, antes da alta do bebê, como triagem de rotina para os recém-nascidos. Ele mede a concentração de oxigênio no sangue e pode detectar um defeito cardíaco, para que a criança inicie o tratamento o mais rápido possível.
Ultrassom mortofológico
Quando realizado com mais atenção ao coração do bebê, neste exame o médico pode desconfiar de alguma malformação cardíaca e encaminhar a gestante para a realização de um ecocardiograma fetal, para um ultrassom do coração do feto que mostre o defeito cardíaco.
Eco fetal 
É realizado após a 20ª semana de gestação. É também indicado para todas as gestantes consideradas de risco: com idade superior a 35 anos, que tenha tido outros filhos cardiopatas, portadoras de diabetes ou lúpus, com feto que tenha outras alterações ou com suspeita de síndromes, dentre outros motivos. 
Eco 3D 
A UCMF conta com o único aparelho de ecocardiograma fetal tridimensional com reconstrução dinâmica sequencial em Pernambuco. O exame mostra o coração espacialmente, como se o observador estivesse dentro do corpo do bebê, ainda no útero materno, permitindo visualizar todas as estruturas cardíacas externas e internas em detalhes. A acuidade diagnóstica propiciada garante o início do tratamento intra útero, a prevenção de problemas futuros, a preparação para um parto adequado e o encaminhamento cirúrgico, quando necessário. 
Os exames, realizados pela UCMF por meio de atendimento particular ou conveniado aos planos de saúde, também são oferecidos aos pacientes carentes da ONG Círculo do Coração, também sediada no Hospital Português, com preços populares e de forma gratuita aos pacientes do Ambulatório de Beneficência Maria Fernanda, do Hospital Português.
Sintomas 
Nos bebês, os sintomas podem ser notados durante as mamadas, quando há o cansaço excessivo e transpiração, o que também pode acontecer durante o sono. Dificuldade no ganho de peso, irritação frequente e ainda cianose, que é caracterizada pela ponta dos dedos e/ ou lábios arroxeados. Em crianças maiores,o cansaço pode ser notado durante as atividades físicas ou até mesmo na dificuldade de acompanhar o ritmo de outras crianças, crescimento e ganho de peso de forma inadequada, infecções pulmonares repetidas, taquicardia ou ainda lábios roxos e pele pálida quando brinca muito. Pode haver ainda episódios de desmaios precedido de tontura, visão turva, dores no peito e mal-estar.
Principais causas
As cardiopatias congênitas não têm causa definida, ocorrem pela interação de fatores genéticos e ambientais. No entanto, está comprovado que existem algumas situações que podem contribuir para o aumento do risco dessa condição. Mães com mais de 35 anos, históricos de filhos anteriores cardiopatas, mães diabéticas, portadoras de lúpus e hipotireoidismo, mães que apresentaram toxoplasmose ou rubéola ou aquelas que fizeram uso de anticonvulsivos, antiinfamatórios, ácido retinóico, lítio durante a gravidez podem aumentar as chances de alterações na formação do coração do feto. Gravidez de gêmeos, múltiplos ou fertilização in vitro também podem ter influência.

Complicações
Algumas situações verificadas em ultrassom merecem ser mais bem investigadas com exames específicos. Fetos que apresentem alteração na translucência nucal (detectada no ultrassom de 12 semanas) ou malformação em algum outro órgão ou fetos com suspeita de síndromes ou defeitos genéticos merecem atenção redobrada. As síndromes mais comumente associadas à cardiopatia são: Síndrome de Di George, Síndrome de Down, Síndrome de Edwards, Síndrome de Marfan, Síndrome de Noonan, Síndrome de Patau, Síndrome de Turner e Síndrome de Williams Nos casos das situações listadas, a realização do ecocardiograma fetal é muito importante, mesmo que o ultrassom morfológico esteja normal. Assim podemos detectar ou excluir uma cardiopatia e programar o nascimento do bebê, proporcionando uma gravidez mais tranquila para toda a família.

Um trabalho que segue sendo desenvolvido aliado à alta tecnologia em busca da qualidade total no atendimento ao paciente, oferecendo as possibilidades mais modernas para o diagnóstico e tratamento de cardiopatias contando, por exemplo, com o único aparelho de ecocardiograma fetal tridimensional com reconstrução dinâmica sequencial em Pernambuco. 

Uma clínica instalada em um complexo hospitalar que oferece todo o suporte necessário, único hospital do Nordeste com Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica Cardiológica, com toda equipe especializada em cardiologia neo-natal.

Sobre o Círculo do Coração
Fundação de Apoio iniciada em julho de 1994 pelos integrantes da Unidade de Cardiologia & Medicina Fetal (UCMF) do Real Hospital Português (RHP), o Círculo do Coração de Pernambuco atua com o principal objetivo de facilitar o tratamento de crianças carentes portadoras de doença cardíaca em nossa região. Um projeto pioneiro de parceria entre a equipe de saúde, o paciente, familiares, complexo hospitalar e voluntários da comunidade. 

Uma realização de referência que combina saúde, tecnologia e sobretudo, pessoas. Contanto com o braço de cooperação médica firmemente implantado na equipe multidisciplinar de saúde da UCMF como médicos, psicólogos, nutricionistas, o CirCor é uma decorrência natural da missão, visão e valores que alicerçam o trabalho em saúde que motivou as ações da Dra. Sandra Mattos.

Se de um lado se estende para a área social, o atendimento médico e o conhecimento em saúde acumulado, a iniciativa envolve, por outro, o processo de melhoria do atendimento médico e produção e disseminação do conhecimento. Uma equipe compromissada e engajada na realização de reuniões e campanhas beneficentes para captação de recursos e esclarecimento da população sobre a realidade da doença cardíaca em nossa região. 

Os pacientes, por sua vez, contribuem com o trabalho, vendendo materiais promocionais ou pagando uma taxa de consumo, enquanto o hospital reduz os custos e a comunidade atua por meio da doação de recursos para manutenção. Um processo onde cada componente é importante: cirurgia, secretariado, diagnóstico, contabilidade, arteterapia, psicologia, informática, gestão, pacientes, familiares, hospital, comunidade. Todos trabalhando com o coração.

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas